sábado, 27 de novembro de 2010

Manifesto de repúdio contra o estereótipo de bibliotecária

Criticando o “look” da candidata Dilma Rousseff. Um dos argumentos utilizados para ilustrar o mau gosto da candidata para se vestir foi comparar a imagem desta à de uma “bibliotecária solteirona”. É lamentável e vergonhoso que uma revista que possui tantos anos de circulação e que conquistou um enorme número de leitores se utilize de um estereótipo que ridiculariza, ao mesmo tempo, a mulher solteira e uma classe profissional, simplesmente para denegrir a imagem da adversária política do seu candidato protegido.
No último dia seis a Revista VEJA publicou a matéria “vestida para mandar”
Em uma sociedade em que a aparência importa mais que a essência dos indivíduos esse tipo de coisa pode fazer algum sentido, no entanto prefiro acreditar que esse não é nosso contexto e que as pessoas se lembram de nós bibliotecários (homens ou mulheres, casados ou solteiros, bem ou mal vestidos) como profissionais que organizam, disseminam e promovem o acesso democrático à cultura e à informação.
Talvez nós bibliotecários não saibamos nos vestir bem, mas com certeza sabemos diferenciar uma notícia mal intencionada de uma que pretende estimular a reflexão e informar seu leitor de maneira ética e coerente. Também sabemos que o voto deve ser decidido com base nos planos de governo e nas competências e ações dos candidatos, não na capacidade destes de combinar as meias com a gravata ou os brincos com o colar.

Belo Horizonte, 16 de outubro de 2010
Bruna Bonifácio de Almeida
Estudante de Biblioteconomia – ECI-UFMG

sábado, 20 de novembro de 2010

Revisteca Abril enriquece o projeto Leitura no Hospital

 
Cristiane Cordeiro, Margarida Carvalho e Manuel Ilídio Salgado descerram a placa da Revisteca

Uma parceria entre o HU e a Distribuidora Londrinense de Produção (DLP), representante da Editora Abril na cidade, está proporcionando incremento significativo no acervo do projeto Leitura no Hospital, desenvolvido no HU desde outubro de 2009.
Com a parceria, a Editora Abril disponibiliza, através da Revisteca Abril, publicações como Veja, Coquetel, SuperInteressante e Recreio, que ficam à disposição de pacientes e visitantes em um stand montado no hall do hospital. O stand é oferecido também aos pacientes do Ambulatório de Hospital de Clínicas (AHC).
A Revisteca Abril é um projeto nacional da editora, que visa estimular leitura e conhecimento através das publicações da Editora. Segundo a distribuidora, são cerca de 250 Revistecas disponibilizadas em todo o País, entre hospitais e instituições de ensino.
O projeto de leitura do Hospital é coordenado pela Diretoria de Enfermagem, Divisão de Serviço Social e Biblioteca Setorial do CCS e funciona de segunda a sexta-feira em diversas unidades do HU. Um carrinho personalizado circula pelo Hospital, levando livros, revistas, gibis e jornais aos pacientes e seus acompanhantes.
O projeto já efetuou parceria com o escritor Laé de Souza, autor do projeto “Dose de Leitura”, e recebe periódicos informativos como a Folha de Londrina e o Jornal de Londrina. A mais recente parceria foi efetuada com a Folha Norte, semanário voltado para a região Norte de Londrina. Doações de livros e revistas são sempre bem vindas para o projeto, que é coordenado pelos voluntários do Hospital.


É autorizada a livre circulação dos conteúdos desta página
em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso,
desde que citada a fonte.

As Sinopses apresentadas têm como referência as edições digitais dos jornais citados disponíveis no dia.

sábado, 6 de novembro de 2010

Você sabe o que faz 45 milhões de brasileiros se dedicarem à leitura de livros todas as semanas, por cerca de duas horas, e o que leva 63% dos leitores a dizerem que fazem isso por puro prazer? Se você ainda não reservou um lugar especial para os livros na sua vida, é hora de repensar os seus hábitos.

Em 2008, a pesquisa Retratos da Leitura no Brasil, do Instituto Pró-Livro, revelou que os brasileiros leem, em média, 1,3 livro por ano - sem contar os didáticos e sugeridos pelas escolas. Apesar da leitura ter um significado positivo para três em cada quatro pessoas, 25% dizem não ter a menor ideia do papel dos livros nas suas vidas.